Moeda comum da América Latina se concentrará em acordos entre os países do Mercosul e do BRICS – Economics Bitcoin News

O presidente do Brasil, Luis Inácio Lula da Silva, esclareceu o escopo e o alcance da moeda comum que Brasil e Argentina estudam emitir na Latam. Lula da Silva esclareceu que acredita que essa moeda seria usada para liquidar pagamentos transfronteiriços entre os dois países e também países do BRICS e do Mercosul.

Lula esclarece intenção de moeda comum latino-americana

Luis Inácio Lula da Silva, presidente do Brasil, esclareceu os fatos em torno da intenção que Argentina e Brasil têm de criar uma moeda comum latino-americana, que posteriormente seria estendida a toda a América Latina. Ao chegar a Buenos Aires para a cúpula de chefes de Estado da CELAC, Lula explicou que a discussão giraria em torno do lançamento de uma moeda para acordos multilaterais entre países de diferentes grupos de integração, incluindo BRICS e Mercosul.

Lula da Silva estabelecido:

Por que não criar uma moeda comum com os países do Mercosul, com os BRICS? Acho que é isso que vai acontecer. Você pode estabelecer um tipo de moeda para comércio que o banco central define.

Lula também afirmou que prefere que as transações comerciais internacionais sejam sempre liquidadas em moedas nativas de seus países para reduzir a dependência do dólar.

Fernando Haddad, ministro da economia do Brasil, ofereceu mais informações sobre os objetivos dos dois países, explicando:

O comércio está muito ruim e o problema é justamente a moeda estrangeira, né? Então estamos tentando encontrar uma solução, algo em comum que possa fazer crescer o comércio.

Mais detalhes

O presidente da Argentina, Alberto Fernandez, também se referiu à moeda hipotética nos mesmos termos que Lula. Fernández esclareceu:

A verdade é que não sabemos como funciona uma moeda comum entre Argentina e Brasil, nem sabemos como funcionará uma moeda comum na região. Mas o que sabemos é como a economia funciona com moedas estrangeiras para negociar.

As declarações conjuntas de Fernandez e Lula da Silva foram contra as expectativas que alguns tinham sobre o caráter varejista e generalizado que essa moeda teria, alimentadas pelas declarações do ministro da Economia da Argentina, Sergio Massa, oferecido Financial Times.

Tb, relatórios do O'Globo explicam que um memorando de moeda comum a ser assinado pelos dois governos inclui uma cláusula para proteger as moedas fiduciárias de cada país, o real brasileiro e o peso argentino, de serem substituídas por essa moeda focada em liquidação.

Tags nesta história
Alberto Fernandez, Argentina, Brasil, miudezas, moeda comum, dependência, Fernando Haddad, LATAM., luis inacio lula da silva, mercosur, Sérgio Massa, Assentamentos, Dólar dos EUA

O que você acha sobre a moeda de liquidação latino-americana sendo discutida entre Argentina e Brasil? Conte-nos na seção de comentários abaixo.

Sérgio Goschenko

Sergio é um jornalista criptomoeda que mora na Venezuela. Ele se descreve como atrasado no jogo, entrando na criptosfera quando o aumento de preços aconteceu em dezembro de 2017. Tendo uma formação em engenharia da computação, morando na Venezuela e sendo impactado pelo boom da criptomoeda em nível social, ele oferece um ponto de vista diferente sobre o sucesso da criptografia e como ela ajuda os que não têm acesso a bancos e os que não têm acesso a serviços.

Créditos de imagem: Shutterstock, Pixabay, Wiki Commons, Isaac Fontana / Shutterstock.com

Aviso Legal: Este artigo é somente para propósitos de informação. Não se trata de uma oferta ou solicitação direta de uma oferta de compra ou venda, nem de uma recomendação ou endosso de qualquer produto, serviço ou empresa. Bitcoin.com não fornece consultoria sobre investimentos, impostos, questões legais ou contábeis. Nem a empresa nem o autor são responsáveis, direta ou indiretamente, por qualquer dano ou perda causado ou alegadamente causado por ou relacionado ao uso ou confiança em qualquer conteúdo, bens ou serviços mencionados neste artigo.

Fonte: https://news.bitcoin.com/latam-common-currency-to-focus-on-settlements-among-mercosur-and-brics-countries/