Jamie Dimon disse ao Congresso que a criptomoeda nada mais é do que um 'esquema Ponzi descentralizado'

As criptomoedas são perigosos “esquemas Ponzi” que colocam bilhões de dólares em risco todos os anos, declarou o CEO do JPMorgan, Jamie Dimon, em uma revisão contundente dos ativos digitais voláteis.

Em depoimento ao Congresso na quarta-feira, Dimon se referiu a si mesmo como “um grande cético” em criptomoedas como Bitcoin.

“São esquemas Ponzi descentralizados, e a noção de que é bom para qualquer um é inacreditável”, disse ele aos legisladores, chamando o Bitcoin e outras criptomoedas de “perigosas”.

O Bitcoin, que pairava um pouco acima de US$ 19,000 às 6h45 ET de quinta-feira, perdeu mais da metade de seu valor em 2022, já que as criptomoedas em geral sofreram uma venda generalizada que ficou conhecida como o “inverno criptográfico”.

Reunião da casa

O Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos EUA realizou uma audiência na quarta-feira na qual representantes de grandes bancos americanos, incluindo Citigroup, Bank of Americae Wells Fargo deu provas. A presidente do comitê, Maxine Waters, e o membro do ranking Patrick McHenry estão atualmente desenvolvendo um projeto de lei sobre a regulamentação de stablecoins— uma classe de ativos digitais vinculada ao valor de um ativo como o dólar americano.

De acordo com o projeto de lei mais recente, visto por Bloomberg, seria ilegal emitir ou criar novas “stablecoins endogenamente garantidas” como TerraUSD, que desmoronou no início deste ano em uma das maiores falências de criptomoedas de todos os tempos.

Dimon disse em seu depoimento à Câmara na quarta-feira que bilhões de dólares foram perdidos todos os anos para criptomoedas, observando suas ligações com lavagem de dinheiro, ransomware, tráfico sexual e roubo.

No entanto, ele argumentou que as stablecoins não seriam tão problemáticas se fossem devidamente regulamentadas.

Bitcoin 'inútil'

O chefe do JPMorgan tem sido um crítico vocal do Bitcoin e outros ativos digitais descentralizados – e se recusa a se referir a eles como moedas.

Em outubro do ano passado, quando o valor do Bitcoin estava se aproximando de uma alta histórica, Dimon dito a criptomoeda era “inútil”.

Back in 2017, ele se referiu ao Bitcoin como uma "fraude" - uma afirmação que ele depois disse que se arrependeu. Ano passado, no entanto, ele dobrou sua aversão ao ativo, dizendo que "não era um apoiador do Bitcoin" e "não tinha interesse nele".

O próprio JPMorgan não tem sido tão crítico em relação ao Bitcoin, com o banco dizendo tão recentemente quanto maio que viu “vantagens significativas” para os investidores em criptomoedas. No entanto, o chefe de pagamentos do credor disse esta semana que, embora a criptomoeda tenha um “caso de uso de nicho”, a demanda pelos tokens como método de pagamento diminuiu drasticamente nos últimos seis meses.

A firma, e o próprio Dimon, também foram apoiadores da tecnologia Blockchain, qual é o fundação de criptomoedas como Bitcoin.

Em 2019, o JPMorgan se tornou o primeiro banco americano a criar e testar com sucesso uma moeda digital representando uma moeda fiduciária – neste caso, o dólar americano. O JPM Coin, habilitado pelo Blockchain, é usado pelo banco para realizar acordos de recompra intradiários.

Esta história foi originalmente apresentada em Fortune.com

Fonte: https://finance.yahoo.com/news/jamie-dimon-told-congress-crypto-112527469.html